sábado, 4 de agosto de 2007

HÁ JÁ 24 ANOS

Sobre o fabrico de chuvas, apocalipse climático e a ideologia da ameaça, há um texto de 1983, a provar de que os sonhos dos meteorologistas já nessa altura tinham apoios de alto nível:
««Os cientistas, com a maternal ajuda da Organização Meteorológica Mundial e o paternal amen de qualquer instituto de Geofísica, prometem apocalipses a granel para daqui a 5, 10, 20 ou 30 anos.
Os meteorologistas é uma daquelas classes dirigentes que nunca deixa de nos enternecer e fascinar.
Há 20 anos que andam a querer fabricar chuva, e o que temos é uma seca do tamanho do Sara. Eles querem dominar ventos, correntes marítimas, olhos de furacão, mas acabam por se confessar dominados, pagando nós todos, entretanto, cobaias assíduas, as favas de tanta experiência falida.
Mas para lá da manipulação voluntária de climas - procurando fazer das forças naturais uma arma - , manipulação já devidamente regulamentada em reunião internacional das grandes potências que a ela se dedicam, vem sempre a tempo o estafado alarme do óxido de carbono, que o progresso industrial se tem encarregado de mandar para a atmosfera dizendo que é desenvolvimento e qualidade de vida mas que, repentinamente, vem agora dizer-nos: "É o fim, camaradas, nada a fazer». Só nos resta despedir da família e aguardar, de mãos atadas, a subida dos oceanos, tempestades monumentais, secas de partir, enfim, o desequilíbrio ecológico do sistema climático, o pandemónio com hora marcada já na agenda do serviço diário das agências noticiosas, mas hora a hora fabricado por esse mesmo sistema de morte que levou décadas arruinando o Planeta que havia.
RETROSPECTIVA COMPROVATIVA
http://pwp.netcabo.pt/big-bang/countdown/casulo1/03-10-20.HTM
http://pwp.netcabo.pt/big-bang/countdown/casulo1/03-10-22.htm
http://www.google.pt/search?hl=pt-PT&cr=countryPT&q=+site:pwp.netcabo.pt+ensaios+no+laborat%C3%B3rio+de+ecologia+humana+

1 comentário:

Osvaldo Lucas disse...

Não compreendo.
Se nos estamos a lamentar sobre os efeitos que o CO2 fizeram (e farão) no clima global até à data, não vale a pena chorar sobre o leite derramado. E duvido muito que pudesse haver alternativa a uma sociedade de consumo, nos ditos países desenvolvidos, nos últimos, digamos, 100 anos.

Se a questão é que realmente, agora, não há nada a fazer a não ser "damage control", continuamos com o problema resolvido. Ou será que há alguma alternativa realista à libertação de CO2?

Cumprimentos de um céptico (ou pelo menos com muitas dúvidas) do aquecimento global de origem maioritariamente antropogénica.