domingo, 9 de dezembro de 2007

HÁ JÁ 25 ANOS

1-2 - 82-11-20> - pauwels-1> leituras mágicas – diário de um leitor

O DESPERTAR DOS MÁGICOS (*)

[(*)Este texto de Afonso Cautela foi publicado no jornal «A Capital» (Crónica do Planeta Terra), 20/11/1982]

20/11/1982 - Se um dia os cientistas descobrirem que houve sociedades com civilizações infinitamente superiores a esta dita civilização que temos, na base barrenta e cancerígena do petróleo, o estado de pânico que se criará em todo o funcionalismo da política, da economia, da ideologia, andará perto do que se verificou na invasão marciana de Orson Welles.
Nesta sociedade do petróleo - dita industrial e avançada - que conseguiu impor, a Leste e a Oeste, os seus padrões de vida (quer dizer, de morte) a quase todo o Planeta - apenas com algumas pequenas bolsas de resistência - o mito do progresso é a pedra de toque. Tudo se justifica, ou tenta justificar, em nome do progresso, nomeadamente as chacinas e mortandades, do biocídio puro e simples ao etnocídio e ao genocídio expresso.
Ora o que está para trás são fases deste apogeu - os três estados do senhor Augusto Comte - desta etapa final da Humanidade, a contas agora com a digestão de várias transamazónias, a caminho como todos notam do paraíso. Só quem tenha a mania de dramatizar tudo, não vê.
Caso a história e a arqueologia, pois, viessem a provar que antes disto houve mesmo uma Civilização, e que civilizações efectivamente houve muitas e dignas desse nome, exactamente antes desta ter começado a raiar (dar raia) nas fraldas do Mediterrâneo e arredores, pode imaginar-se quantos eruditos iriam ficar sem emprego.

OBEDIÊNCIA OU MORTE

Daí que a arqueologia hoje oscile entre a metafísica da pedrinha e a pedrinha da fotogrametria, entre o criado e o malcriado. Só pode ir - dizer que foi - até certo ponto, quer dizer, até onde não ponha em causa os fundamentos em que este sistema apoia os seus podres alicerces: a ciência ocidental, a que normalmente se chama ciência ordinária.
Se a arqueologia investiga um pouco mais, vai descobrir que ciência houve, da boa e da melhor, muito antes desta que os historiógrafos oficiais do reino anunciam.
Em suma: recuar uns séculos oferece perigos de tremendas revelações e revoluções. A verdade vem à tona. Claro que entre arqueólogos logo se mobiliza a contra-ofensiva e o rótulo de "esotérico" surge então para anatematizar tudo o que não passe pelo filtro, pelo exame, pela real mesa censória da ciência ordinária e seus exércitos de fiéis servidores.
Em 1962 - há portanto vinte anos - dois autores franceses, um químico e outro (apenas) escritor lançavam um feixe laser de hipóteses, que atordoaram muita gente.
O livro em Portugal, na tradução de Gina de Freitas, chamou-se "O Despertar dos Mágicos” e o editor não acreditava nele quando o lançou. O argumento de sempre: vanguarda não se vende. Cremos que vai na 10ª edição e continua a esgotar-se.
Gabo-me de ter escrito sobre esse livro logo que apareceu em França, o primeiro e não sei se único artigo que sobre ele apareceu na imprensa portuguesa. Posteriormente, os cadernos de “O Século” – colecção «A Par do Tempo» - viriam igualmente a consagrar-lhe exclusivamente um dos seus números.
Apostar vinte anos antes no que vai ser um êxito editorial, cultural e de opinião pública vinte anos depois, eis o que ninguém jamais neste país deverá fazer, sob pena de morte. Antecipar-se ao que o tempo vai dizer e confirmar, eis o pecado mortal. Mas não dramatizemos.
O êxito daquele livro significa que milhões de pessoas sintonizaram uma banda do espectro cultural até então interdita e tabu. Com esse livro e o movimento intelectual que dele derivou, milhões de pessoas já perceberam que a historiografia oficial foi posta em causa. Não significa isso que toda a classe dos historiadores, arqueólogos, geólogos e palentólogos se tenha convertido à verdade. A inércia tem muita força e os interesses criados ainda mais.

A NOVA GERAÇÃO QUE ESCOLHA

À nova geração cabe mais esta opção difícil, mais este salto por cima dos pais, patrões e patronos da Pátria. Entre os sacerdotes das ordens imobilistas estabelecidas - que exigem rendição e culto - e a liberdade de pensar livremente a verdade, quem vier que escolha.
Anos depois de aparecer "Le Matin des Magiciens” com um título português que não ajudava nada, surge daqueles mesmos autores franceses “O Homem Eterno”, outra bomba no charco. A Neo-Arqueologia ganhava foros de cidade, avançava na neblina de "noite e nevoeiro", livros de capa preta e letras douradas iam saindo entre o medíocre e o óptimo, colecções mantiveram-se enquanto jornais que pretendiam macaquear o novo realismo fantástico iam falindo à medida que surgiam, aliás convenientemente mal feitos, quase todos, precisamente para se provar que toda a Neo-Arqueologia e todo o Neo-Esoterismo de fancaria não passavam. Sobrevive só o mais incrível de todos.
Convinha à ciência oficial avacalhar o produto , para o que não faltaram profetas e gurus de pacotilha , à uma, cumprindo. Quando a Acupunctura chegou, não tardaram os curandeiros a invadi-la, para que os curandeiros diplomados pudessem dizer que aquilo era charlatanice punível por lei.
Em tais casos a lei funciona sobre esferas. Impecável.
Entre a ciência, a historiografia oficial e a rapioqueira mediocridade de curandeiros-astrólogos.-parapsíquicos & tal, aí temos a situação de beco, tentando convencer outra vez as massas de que não há alternativa nem saída, nem a luz da verdade deslumbrante. Mas há vinte anos, Louis Pauwels e Jacques Bergier demonstraram que sim, que havia.
Como era de esperar, esta época que tudo polui, também abocanhou a maior e melhor descoberta que a ciência jamais fez - a anticiência, exactamente, a ciência subversiva por natureza, a Neo-Arqueologia e todas as outras anti-ciências adjacentes.
Ou não fosse ela - a Neo-Arqueologia - a outra ponta de uma linha que desemboca hoje na Ecologia, a outra das subversivas por excelência.
Vinte anos depois dos mágicos despertarem, ao toque de Pauwels e Bergier, ainda há quem durma a sono solto. A nova geração que decida. Nesta como noutras matérias, não esperemos que a salvação nos venha dos pais da pátria ou dos pais do Mundo.
Abrir os olhos e ler, abrir os ouvidos e ver, abrir o coração e sentir é a única regra de oiro para a nova geração que não quer morrer estúpida, agarrada à bomba de cobalto da televisão, ou do cinema, o tal que mente à velocidade de 23 imagens por segundo, ou do rock e outros produtos farmacêuticos.
- - - - -
(*)Este texto de Afonso Cautela foi publicado no jornal «A Capital» (Crónica do Planeta Terra), 20/11/1982

1 comentário:

Quinta Cabeça do Mato disse...

OLA , ficamos muito felizes por ter conhecimento do vosso projecto. Nos tambem tem um projecto de construçao de baixo impacto, nosso blog www.quintacabecadomato.blogspot.com Ireimos fazer um Encontro Verde em Março. www.encontrovede.wordpress.com e gostariamos do vos convidar para participar. e bom conheçer pessoas com a mesmo visao que nos... abrços ecologicas